Loading...

sábado, 13 de outubro de 2012

Quissamã - Desenvolvimento do Agronegócio




A eleição de Otávio deverá dar novo ânimo aos produtores rurais e pescadores artesanais de Quissamã, uma vez que o prefeito eleito é homem ligado ao agronegócio, portanto, comprometido com a causa e ciente do potencial que o município tem para produzir nos setores agrícola, pecuário e pesqueiro.

O município tem grandes perspectivas em torno do Complexo Logístico Farol Barra do Furado, que deverá gerar emprego e renda  para nossa gente, mas, todos sabemos que o petróleo é um bem finito. Por isso, o município de Quissamã vai também consolidar sua posição de grande produtor de alimentos no Estado do Rio de Janeiro.

Além disso, dentro do cenário de mudanças climáticas, fica difícil tratar em progresso econômico sem uma visão ambiental deste, ou seja, pensar no desenvolvimento sustentável.

A definição mais aceita para desenvolvimento sustentável é o desenvolvimento capaz de suprir as necessidades da geração atual, sem comprometer a capacidade de atender as necessidades das futuras gerações. Essa definição surgiu na Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, criada pelas Nações Unidas para discutir e propor meios de harmonizar dois objetivos: o desenvolvimento econômico e a conservação ambiental.

A produção de alimentos sustentáveis é o pilar desse processo e o município de Quissamã apresenta todas as condições para desenvolver projetos dessa natureza.

Para que isso aconteça será fundamental a sinergia entre algumas secretarias municipais.

Também a mudança de nomenclatura de algumas secretarias se faz necessária para dar ênfase aos projetos a serem desenvolvidos. Por exemplo: A Secretaria de Agricultura deveria passar a ser “Secretaria de Agricultura, Pecuária e Pesca” e deverá fazer sinergia com a Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, com objetivo de desenvolver o agronegócio local, auxiliando na eliminação dos pontos de estrangulamento dos diferentes elos de cadeias de produção, buscando a sustentabilidade da agricultura familiar; desenvolver ações na área de infra-estrutura rural, como estradas rurais, infra-estrutura de produção, manejo e uso adequado do solo, recursos hídricos, entre outros; criar alternativas de renda através de um programa de fomento incluindo projetos de verticalização da produção, mudança da base técnica da agricultura tradicional e incentivo à utilização de tecnologias ambientalmente adequadas com viabilidade econômica e desenvolver atividades no campo, de organização rural de pequenos produtores, promovendo a participação dos mesmos na definição das políticas públicas para o meio rural.