Loading...

domingo, 27 de março de 2011

Novas Versões do Siscomex prometem modernizar o comércio exterior brasileiro

Comexblog - Carlos Araújo

Desde a década de 90 que o comércio exterior brasileiro passa por transformações na forma de gerenciar o registro, o acompanhamento e o controle das operações importação, exportação, gerenciamento da carga e o do trânsito aduaneiro.

Em 1993 foi implantado a versão do Siscomex Exportação, e em 1997 a versão importação. Com estas duas ferramentas, foi possível integrar todas as atividades de importação e exportação, eliminar diversos documentos impressos (GI, GE, DI e DE), revisar a coexistência de controles e obter dados por apenas uma única fonte de coleta.

Também se permitiu harmonizar conceitos, uniformizar nomenclaturas, ampliar os pontos de atendimento por meio eletrônico, simplificar e padronizar as operações aduaneiras, além de agilizar a coleta e o processamento de informações de todos os intervenientes.

Com tudo isso, assistimos uma ampla e completa reforma procedimental, existente até então. O resultado final foi uma sensível redução de custos para o setor privado e para o público.

E para acompanhar a nova tecnologia existente, o governo federal lançou recentemente o Novoex, nome dado ao sistema que irá substituir a versão ‘primata’ do Siscomex Exportação.

O Novoex foi totalmente reformulado e trouxe mais facilidade de uso e de interação com o usuário. Com a plataforma usada, o sistema ficou mais inteligente, autoexplicativo, sugerindo passos a serem seguidos para o usuário final.

E na importação, também há informações relevantes. Espera-se para o primeiro semestre de 2011, um novo módulo de importação, voltado para a tecnologia WEB e que permite acesso por intermédio de todos os dispositivos existentes. Informações de bastidores confirmam que o sistema já está sendo homologado pelos órgãos competentes e em pouco tempo já será disponibilizado para todos os usuários.

Hoje, utilizar o Siscomex Importação requer uma boa dose de paciência. É difícil de acreditar que o sistema não ofereça relatórios gerenciais, relatórios para conferências ou possibilidades de rateios de peso, valores ou itens. Espera-se que a nova versão corrija estes (e tantos outros) erros do sistema, que mudou muito pouco desde a sua implantação, no final dos anos 90.

O Brasil deu um salto qualitativo ao colocar no ar estes dois módulos do Siscomex. Implantar estes dois sistemas trouxe não só vantagens para os operadores de comércio exterior, como colocou o país na vanguarda mundial da administração do comércio externo. Fomos o primeiro país no mundo a ter 100% das operações de importação e exportação analisadas e registradas online pelos órgãos gestores e anuentes, como Mapa, Anvisa, Ibama, entre tantos outros.

Agora, o próximo passo é oferecer uma sistemática que tenha mais recursos tecnológicos, gerenciais e novos meios de acesso.

Os novos módulos serão baseados na filosofia cloud computing (ou tecnologia nas nuvens), em que os programas estarão disponíveis na Internet, e que a partir de qualquer computador e em qualquer lugar, pode-se ter acesso a informações, arquivos e programas num sistema único, independente de plataforma.

Mas uma vez seremos o primeiro país do mundo a administrar seu comércio exterior com uma tecnologia tão moderna e tão segura.



Nenhum comentário:

Postar um comentário